sexta-feira, 8 de junho de 2007

Um Programa Mínimo para Belmonte

O Estado está para Portugal, como a C.M. Belmonte está para Belmonte: ambos constituem um dos maiores obstáculos ao seu desenvolvimento e qualidade de vida dos cidadãos. O diagnóstico é conhecido, as terapias necessárias também, mas o que tem faltado é vontade de mudar. Belmonte requer uma mudança urgente em muitas áreas.

1.Máquina camarária. A abundância de departamentos, serviços, divisões, assessores, funcionários ou contratados cresceu na razão inversa ao trabalho e qualidade do serviço prestado à população. A C.M.B. tornou-se num viveiro de parasitas. É raro encontrar um serviço municipal onde os funcionários tenham objectivos definidos, cumpram os horários de expediente ou estejam à altura das funções que executam. Um grande número de dirigentes e funcionários tem duplos e triplos empregos, sendo que aquele que menos os preocupam é o emprego camarário. O que predomina na maioria dos serviços é a incompetência e o laxismo, sendo inexistente qualquer tipo de avaliação de desempenho minimamente credível. Urge refundar a C.M.B., começando por a expurgar dos parasitas que foi acumulando.

2. Património Publico. Sendo a autarquia detentora de um notável leque de infra-estruturas, quais as iniciativas que nelas são desenvolvidas de forma a dinamizar esses espaços, será que o difícil é construir ou dar fiabilidade aos mesmos. Quantas actividades estão previstas para o auditório municipal? e para o auditório do museu dos judeus?, e para o pavilhão multiusos? Ou mesmo para qualquer um dos museus desta terra. Alias quem têm esta incumbência? A empresa municipal? Um qualquer conservador que não conhece-mos? QUEM E O QUE?.

3.Empresa municipal. Um desvario total, à margem de qualquer controlo, e cuja única função parece ser a de arranjar emprego para amigos e enteados e justificar a saída de verbas autárquicas que de outra forma seria impossível. É urgente acabar com este regabofe.

4. Assembleia Municipal. Necessita urgentemente de um serviço minimamente eficaz de informação. Os munícipes estão afastados de qualquer participação séria nas suas sessões e trabalhos, quando lhes á dada a possibilidade de intervir à para servirem de meras figuras decorativas.

5. Famílias Numerosas. A C.M.B. tem sido para as principais famílias de Belmonte, um meio para darem emprego bandos de parasitas e incompetentes que vivem e se alimentam desta máquina que se alimenta de votos. Belmonte está refém destes bandos de inúteis que “ninguém” percebe como ascenderam as funções que ocupam.

6.Distribuição de Recursos. Quando se analisa as prioridades dos investimentos da C.M.B. percebe-se logo porque a Vila está na situação em que se encontra. O supérfluo torna-se numa prioridade, e o que é essencial para a vila torna-se algo supérfluo. Um exemplo: a C.M.B. gastou incomensuravelmente mais com os canteiros, jardins e afins, do que aquilo que investiu nas escolas básicas que lhes estão confiadas. A educação é manifestamente algo de supérfluo, temos uma escola secundária que em breve apenas dará competências até ao 9º Ano. Sem qualquer intervenção por parte da autarquia que tal como a sua própria realidade deixa a definhar.

7.Gestão Urbanística. A C.M.B. sede aos interesses especulativos das empresas imobiliárias, sendo ela própria um agente de especulação imobiliária, se não vejam o caso do loteamento municipal junto da JFB, traduziu-se em toda a vila em verdadeiros atentados urbanos que degradaram a qualidade de vida da população. As trocas e baldrocas nas contínuas permutas entre a C.M.B. e privados tem quase sempre um único resultado: o benefício de alguns em prejuízo do Bem Comum. Fruto desta incompetente (ou corrupta ?) gestão urbanística..


8.Mercado Municipal. È impressionante como ainda não conseguiram deslocar o mercado para um qualquer local que não condicione não só o tráfego mas também as obras. Senão vejam, é impressionante como em dia de mercado até o cais da obra do novo museu é encerrado, e pergunto eu quanto é que isto custa nos trabalhos a mais???

9. Requalificação Urbana. Estamos enquadrados no projecto das aldeias históricas, mas quererá isto apenas dizer que devemos lavar a cara as nossas edificações presentes no perímetro histórico, sem fazer cumprir qualquer outro critério aos seus proprietários, atribuindo verbas aos mesmos para realizarem está operação estética no exterior, e continuando as edificações no seu interior a degredar-se?.

10.Higiene Urbana. Criar guerras pessoais e inspeccionar quem coloca o quê e onde nos contentores do lixo, Abrir silo de lixo subterrâneos para de seguida os voltar a tapar? Pergunto se estas obras terão ou não sido pagas a quem realizou os trabalhos? Se sim não é isso má gestão do hierárquico publico?

Bom poderia continuar, mas peço que sejam também os outros leitores a falarem destes assuntos.

11.Segurança.
12.Equipamentos de Desporto e Lazer.
13.Equipamentos culturais (teatros, bibliotecas, arquivos, etc).
14.Turismo.
15.Enquadramento regional.
16.Exclusão Social.
17.Participação dos Cidadãos.
18. Outros



PS: A pedido de vários participantes deste blog este post foi novamente publicado - P.A.Cabral

10 comentários:

Varg Vikernes disse...

Antes de mais quer aproveitar para salientar que estou estramente contente deste blog não ter morrido na praia...

Desses pontos que li, o que mais me desagrada é o facto do mercado municipal, então para conseguir chegar ao outro lado de Belmonte, tenho que ir pela variante? Ou vou a pé? Onde é que isto já se viu? Mas tão a espera do que pra mudar o mercado de local, ou reformulando a pergunta, têm medo do quê?

Atenciosamente, Varg Vikernes

Clone 666 disse...

Eu sei porque os mercados ainda não foram mudados:

1-Porque os comerciantes não querem. Têm medo de perder clientes.

2-Porque ainda não encontraram um sitio adequado. Embora se tenha falado no Olival Grande, alguém deve ter tido o minimo de bom senso e ter inviablizado essa ideia diga-se parva...

3-Tão com medo de levar uma coça dos feirantes (que também têm medo de perder clientes).

4-Têm de dar algum trabalho aos varredores já que apenas limpam parte da vila...

5-porque a união ainda não largou o campo de jogos da casa do povo(lol).

6-Porque são votos que se perdem, e assim estamos todos contentes.

7-Porque á pessoas que não evoluem e devido á sua mentalidade arcaica e retrogada axam que está bem assim (pois para além de Belmonte são milhares as vilas e cidades que fazem os mercados no seu centro).

8-há! e porque nos estamos cheios de alternativas á p.alvares cabral!


Caminharás sobre brasas e sobre brasas te deitarás,tu gente rude que nada mais que o poder quererás!

O Clone 666

Barroco dos Corvos disse...

Tou de Regresso a Luta

Mario disse...

Mario:
1- Não há coragem politica para resolver este problema;
2- Quem cutuca fera com vara curta o mais certo é sair mordido ou ser morto

Barroco dos Corvos disse...

Olá novamente
Já sabemos que os mercados não vão sair do estrada principal da vila.Pois o nosso COMENDADOR teve e tem a oportunidade de tirar o mercado da rua Pedro Alvares Cabral .As obras para o futuro museu seria a melhor ajuda para tirar o mercado ,mas não .Um dos ultimos mercados os vendedores montaram as suas tendas mesmo em frente da porta de serviço das obras.E uma vergonha ainda não ter-mos um lugar para por o mercado ,senhor COMENDADOR as nossas necesidades são muitas faça alguma coisa foi eleito para isso não é só enterrar o nosso dinheiro.

Mistico Cabral disse...

Todos estes problemas já foram ditos, pensados e comentados na praça pública. Concordo com o meu "primo" quando torna a actualizar e organizar esta lista, mas, meu caro, na minha opinião isso são efeitos de um mal muito maior, que penso que ainda não foi debatido neste blog: as várias e consecutivas gerações de jovens sem nenhum tipo de influência politica e cultural.

Aproveito para enumerar alguns pensamentos que me têm vindo fazer pensar nisto:

1- Nenhum dos jovens que ingressaram até hoje nas listas politicas para a camâra tiveram qualquer tipo de função a não ser angariar mais alguns votos em tempo de eleições, partindo então de um principio em que não importam as suas capacidades de intervenção social mas sim, a opinião não fundamentada que a sociedade possa ter desses jovens.

2- Aquando da campanha politica, estive nos dois comissios (PS e MPB)e para meu espanto havia bastantes jovens a participar. Notava-se claramente que havia mais jovens na noite do MPB e mais idosos na noite guardada para o PS, mas o que é de salientar aqui é que nenhum dos dois candidatos se referiu directamente aos jovens (excepto quando se falou no desemprego).

3- A desertificação progressiva da escola secundária, assim como a ausência de resultados práticos da participação activa destes alunos no desenvolvimento da vila.

4- O consumo abusivo de estupefacientes e álcool, devido á inexistência de soluções lúdicas e\ou culturais (falta de perspectivas de vida e sociais).

5- A ideia que passa de geração em geração de que é preciso é arranjar uma fonte de rendimento, seja ela qual for. Isto acaba por criar uma falta de dinâmica profissional jovem, que é na minha opinião vital para o progresso.

6- O deslumbramento pela cidade, que leva á falta de retorno dos profissionais que se deslocaram para estudar e trabalhar. É comum ouvir dizer entre os que estão noutra parte do país que não iriam voltar para onde não há nada, e notem bem, nem sequer investir aqui porque está tudo a morrer.

7- A ausência total de iniciativas nocturnas (bares, exposições, teatro, cinema, concertos, discotecas, animações, etc.) inadmissivél a uma vila histórica que quer prezar pelo turismo.

E outras que prefiro deixar que outros participantes possam dizer para que vejam que estou a falar muito a sério. Não me admiraria que muitos dos habitantes estejam neste momento a fazer caretas de desacordo, mas pensando bem: Qual é o jovem que até hoje teve ou tem credibilidade e trabalho feito em prol da dinâmica social de Belmonte? Qual foi o Presidente da Câmara Municipal de Belmonte que até hoje deu espaço de decisão a um grupo de jovens devidamente orientados e organizados? E vocês jovens, não sentem falta disso?
Aproveito para pegar nesse malfadado slogan da câmara municipal que vem sempre perto da fotografia do nosso presidente para lhe dizer que passado temos muito, mas presentemente não temos nada e o futuro escapa-lhe entre os dedos sempre que um jovem muda o termo de residência para outra localidade.

Talvez desapareças Belmonte...

Ricardo Araújo Pereira disse...

Tinha decidido não comentar no blog até que algumas explicações que pedi ao seu autor (nada contra si) me fossem dadas, até que me deparei com um assunto, muito bem, levantado pelo Mistico Cabral.

De facto, em Belmonte existe uma desconfiança para com os jovens e aos pseudo-politicos da nossa praça não lhes interessa combatê-la.

Essa desconfiança surge porque a (maior parte da) população adulta de Belmonte se esquece rapidamente de como foi ser jovem. Não sei de onde virá este estranho fenómeno mas faço uma pequena ideia que, no entanto, não interessa agora debater. Assim, a maioria dos jovens em Belmonte é vista como "persona non grata" pela maior parte da população e o epiteto "drogados" é o mais natural para classificá-la.

Não adianta branquear os problemas, e o problema da droga é um deles, mas como tenho aqui dito a culpa nunca é 100% de alguém e os "esforços" que devem ser tomados pelas autoridades competentes, para combater este flagelo, não têm sido efectuados.

E isto acontece, porque em Belmonte a noção de colectivo é bastante reduzida, cada um preocupa-se consigo e com os seus próximos e se estes estiverem bem os outros não interessam para nada. O elo mais fraco (neste caso os jovens) são então afastados do poder de decisão de há muitos anos para cá, tirando alguns que ainda vão conseguindo lá chegar mas sob pena de não terem vida social em Belmonte.

Dêem uma olhada nos jovens das listas mais fortes concorrentes às autarquicas e digam-me se não tenho razão. Provavelmente alguns nem os conhecem.

E aqui discordando com o Mistico Cabral, os jovens dessas listas são escolhidos sim, mas não para ganhar votos, mas apenas para não os perder, já que fica sempre bem um ou dois na fotografia.

É um problema de esforço e compreensão, mas que fazer quando eles se sentem bem com isso?!

Indío disse...

Meus queridos Indíos!!!
"A criação, ao nível local, de estruturas de apoio ao desenvolvimento, de forma a permitir identificar os sectores dinâmicos de investimento, informar as pessoas e as empresas locais sobre as possibilidades de investimento e sobre as facilidades e condicionalismos ligados à obtenção de crédito, fornecer ajuda técnica no domínio dos estudos de viabilidade, dos planos de investimento, da contabilidade e da comercialização dos produtos locais, organizar cursos de formação, seminários e colóquios destinados aos operadores e agentes económicos e sócio -culturais locais, facilitar a comunicação, o diálogo e a articulação entre as diversas iniciativas locais, por um lado, e entre estas e os serviços públicos interessados, por outro, contribuindo para o desenvolvimento do tecido social e económico local, em todas as suas vertentes." Esta na prática deveria ser a missão da Empresa Municipal de Belmonte;pois eu digo-vos o k se passa nesta linda vila que é a minha.
- Belmonte lembrame os antigos e bons filmes de cowboys que andam todos hà procura do ouro, pois é nos cá temos a caça ao taxo, enquanto o eleco camáraio não mudar, pouco desenvolvimento temos em belmonte, alias nós indios não sebemos quanto vale uma pipeta de ouro, ou um taxo? digo-vos que é bem melhor o taxo, e ao preço k eles andam.(só para amigos ou familiares)
Nós indíos o k sabemos?
Sabemos k a E. M, pouco faz, arris caria mesmo um nada.
Quanto ganha o director executivo desta?
Umas boas sacas de ouro!!
Aqui deixo tb o meu alerta para uma nova emergente associação, AMB, afinal qual é a função desta em belmonte, substituir a E.M.ou é algum tipo de apoio do IEFP para a criação do próprio emprego?????
O meu conçelho já que apoiam em 100%, nos dados estatisticos no ano 2009 aquando da novas eleições todos os habitastes de belmonte teram uma associação ou um taxo!
Nos Indíos é que vamos ter de trabalhar para sustentar estes cowboys.
Para acabar meus queridos!!!
Pois è EU digo-vos ou viramos cowboys ou a nossa querida vida, a vida de Pedro A. Cabral, desaparece nas memórias.
uma a saudação especial a todos os indíos como eu!
Indío

Anónimo disse...

Uma coisa muito porreira era uma esplanada na alameda, acho que se devia fazer um concurso publico, para novas infrastrururas (casas de banho, bar, etc...)e para a exploraçao do bar.Será que é pedir muito? Esta é uma soluçao para uma vila desertificada, e ate mesmo trazer alguma vida nocturna a Belmonte.

O radical

Anónimo disse...

Já tens a barraquinha da Ti'Nês junto a ponte do rio Zêzere