segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Belmonte e Guarda aumentaram de população (2001-2006)

Na região, apenas os concelhos da Guarda e de Belmonte aumentaram a população entre 2001 e 2006. Nos últimos anos, a autarquia belmontense tem-se esforçado por disponibilizar diversas regalias com o intuito de cativar habitantes, desde lotes a preços imbatíveis a tarifas e taxas a preços reduzidos. A verdade é que, fruto ou não das medidas implementadas, o concelho de Belmonte não só não perdeu população, como ainda a aumentou, tendo conseguido 144 novos residentes. Os argumentos para atrair pessoas e empresas são muitos - um exemplo para outras autarquias, portanto.

Em seis anos, o distrito da Guarda perdeu um total de 7.131 habitantes, quase tantos como os que tem, actualmente, o município de Almeida.

Comparando os números do último Censo (2001) com os indicadores publicados, na última semana, nos Anuários Estatísticos Regionais do Instituto Nacional de Estatística (INE), as conclusões são pouco favoráveis à região. Todos os concelhos do distrito da Guarda viram a sua população diminuir no período em causa, à excepção da Guarda, que ganhou 432 novos habitantes.

O Sabugal é o concelho que perdeu mais população (1.339 habitantes). Segue-se, na "lista negra" da desertificação, Almeida (menos 1.182) e Seia (menos 1.091). Aguiar da Beira manteve o número de residentes mais ou menos constante, tendo-se registado uma diminuição de apenas 39, sendo que todos os outros municípios do distrito perderam, no mínimo, uma centena de habitantes.

Na Cova da Beira, o cenário não é muito diferente, já que a Covilhã tem menos 1.954 residentes. No Fundão são menos 294. Belmonte é, no entanto, a excepção conseguindo aumentar a população em mais 144 habitantes.

Por terras do interior, para além da população ser cada vez menos, é também mais envelhecida. Pode soar a lugar comum, é certo. Mas os números confirmam-no, ano após ano. A região continua a ser uma das zonas mais envelhecidas do país, a par do Alentejo e de Trás-os-Montes. Neste capítulo lidera, de longe, o concelho do Sabugal, em que o índice de envelhecimento – a relação entre o número de idosos e a população jovem - apresenta números surpreendentes. Naquele concelho raiano, por cada 100 jovens existem 423 idosos (com mais de 65 anos). Em Almeida, o número baixa para 316, seguindo-se Figueira de Castelo Rodrigo com 289,2.

Pode dizer-se, por outro lado, que a Guarda é o concelho mais jovem de toda a Beira Interior – existem apenas 140,4 idosos por cada 100 jovens. Seguem-se a Covilhã (163,3) e Manteigas (183,2).


Cova da Beira tem a maior esperança média de vida do país

Ainda segundo o INE, Figueira de Castelo Rodrigo é o concelho com menor densidade populacional do distrito, com apenas 13,1 habitantes por quilómetro quadrado. Segue-se Almeida (13,9) e o Sabugal (16,5). Ao invés, a Covilhã é o concelho da região que apresenta o maior número de habitantes por quilómetro quadrado (94,6). Belmonte (com 55,1) e a Guarda (62,1) ocupam os lugares seguintes da lista.

Também em 2007, o município que registou a menor taxa de natalidade (número de crianças que nascem por cada mil habitantes) foi o Sabugal (3,3 por mil), seguido de Almeida (4,5 por mil). A Guarda e a Covilhã apresentam os números mais altos, ambas com oito por mil, seguidas de Celorico da Beira (7,3 por mil).

É também o Sabugal que encabeça a lista da taxa de mortalidade na região (22,2 por mil). Logo depois aparece Figueira de Castelo Rodrigo (20,1 por mil) e Almeida (19,3 por mil).

Posto isto, a taxa de crescimento natural da população - diferença entre o número de nascimentos e o número de óbitos - é negativa, já que o número de mortes foi superior ao de nascimentos em todos os concelhos das NUT Beira Interior Norte, Serra da Estrela e Cova da Beira. Nenhum concelho é excepção. O Sabugal é o município onde a diferença foi mais acentuada, partilhando o pódio com Almeida e Mêda.

Mesmo assim, nem tudo são más notícias. A Cova da Beira, dizem os números do INE, é a região com maior esperança média de vida à nascença de todo o país (79,07 anos). Na Serra da Estrela o número baixa para 78,01 e na Beira Interior Norte vive-se, em média, 78,59 anos.

in "O Interior"


Para visualizar artigos relacionados com as regalias que o municipio de Belmonte disponibiliza para a fixação de população clique sobre os seguintes links:

- Apoio à natalidade
- Taxas de IMI
- Viver em Belmonte compensa

1 comentário:

Telmo disse...

com a camara visivelmente contente com a fixação da população no concelho talvez se pudessem preocupar um pouco em melhorar o estado das estradas do concelho, nomeadamente o troço entre Caria e Carvalhal Formoso (onde supostamente passa diáriamente o vice-presidente da autarquia)o qual deve ter grande habilidade para esquivar os inúmeros buracos e remendos existentes na estrada a qual em varios locais se torna mais segura quando se circula pela valeta em terra.