domingo, 17 de agosto de 2008

Geocaching presente no concelho de Belmonte

É uma espécie de caça ao tesouro dos tempos modernos. Para gente "crescida". Na região, o "Geocaching" já tem dezenas de aficionados e, nos distritos da Guarda e de Castelo Branco, há cerca de 150 tesouros escondidos um pouco por toda a parte.

O "Geocaching" é um jogo de entretenimento destinado a utilizadores de GPS (Global Position System). O conceito prende-se com a colocação de caixas (a que se dá o nome de "caches") em vários locais do mundo, partilhando-se depois as suas coordenadas exactas na Internet para que os jogadores possam ter acesso a elas.

"Retire qualquer coisa e deixe, em troca, outra coisa" para quem vem a seguir é a regra fundamental do "Geocaching". Os tesouros que os "cachers" (jogadores) procuram são chamados de "caches". Por norma, são "tupperwares" (para conservar os objectos que estão no seu interior) que contêm um "logbook" (um pequeno livro onde os jogadores têm, obrigatoriamente, que escrever alguma coisa quando chegam ao local), algumas lembranças para troca e um texto explicativo do jogo para o caso de alguém encontrar por acaso o recipiente. Depois de concluída a caçada, os "cachers" têm de registar as descobertas no site internacional www.geocaching.com, onde estão referidas as coordenadas e as características de todas as "caches" do mundo. Há vários tipos de "caches". Podem ser temáticas ou simples. Há as gigantes, as pequenas e as micro (dentro de rolos fotográficos, por exemplo). Podem estar no topo de montanhas ou em zonas urbanas. Têm, obviamente, graus de dificuldade diferentes. Podem obrigar o jogador a percorrer etapas (circuitos de "multi-caches"). Tudo depende da criatividade de quem as esconde.
in "O Interior"

No concelho de Belmonte existem 3 caches, uma na praia fluvial de Belmonte, outra na Torre Centum Cellas e por fim uma na casa da Torre de Caria. No site oficial do Geocaching existe ainda um conjunto de informações e fotografias relativas aos locais onde se encontram as “caches”escondidas (mas não o sítio exacto), assim como comentários dos diferentes “cachers”.

2 comentários:

Gala Eluard disse...

Uma vez mais, o texto foi retirado do jornal O INTERIOR (à excepção do último parágrafo). Indiquem as fontes de informação! :)

Cumprimentos e votos da continuação de um excelente trabalho!

Pedro Álvares Cabral disse...

Peço desculpa pela falha... foi mesmo por esquecimento, até porque costumamos sempre referir as fontes.

Abraço,

P.A.Cabral